Matrizes de ser e interagir

Segundo a Antropologia proposta pela Humanidade 21 (H21), a pessoa humana é um ser único e irrepetível, “feito” segundo matrizes de 

InteligênciaÉticaLiberdadeAmor e Espírito.

A natureza humana recupera-se e evolui positivamente através de actos voluntários de honestidade intelectual, de liberdade responsável, de amor por decisão própria e de abertura ousada a Deus. O Projecto Sofia concretiza-se na aplicação deste desenho antropológico à Escola.

Inteligência: Paixão pela VERDADE


Inteligência (lat. Intus legere) é a paixão pela verdade das coisas, dos fenómenos, das situações, dos comportamentos, da REVELAÇÃO. É a condição do pensamento divergente, da criatividade.
É essencialmente uma acção de decisão própria e não de obediência ou imposição externa. Torna-se natural procurar, aprofundar, desenvolver as sementes de talento e de grandeza, aderir à verdade.

O ser humano, desde muito cedo e cada dia mais:

  1. É capaz de pensar e conhecer: tem capacidade e instrumentos, inatos e adquiridos, para penetrar progressiva e profundamente na realidade das “coisas”, das situações, dos acontecimentos e dos comportamentos. Consegue fazê-lo de forma intelectualmente honesta: resistindo a interesses, subterfúgios, disfarces, mentiras, ameaças;
  2. é capaz e deve duvidar, questionar, investigar, concluir;
  3. é capaz e deve colocar-se como meta a verdade, e o amor à verdade como caminho;
  4. enriquece-se com a partilha de conhecimento (inteligência social).

Ética: Paixão pelo BEM


Ética é a paixão pelos valores até se tornarem o centro da própria vida: Deus, o bem, a verdade, a justiça, a beleza, o amor.

O ser humano, desde muito cedo e cada dia mais:

  1. É capaz e deve centrar a própria vida nos valores perenes; centrar o pensar, o sentir, o agir e o relacionar-se.

Liberdade: Paixão por SER e Intervir


Liberdade implica opções / decisões corajosas e arrojadas a partir das descobertas da Inteligência, das exigências da Ética, da paixão pelo NÓS.
A imposição pode roubar talento e alma, mas nunca dar, nem um nem outra!

O ser humano, desde muito cedo e cada dia mais:

  1. É capaz de decidir por si próprio;
  2. ninguém se pode arrogar o direito de a substituir nas suas decisões;
  3. é capaz de assumir as consequências das decisões que toma;
  4. pode sempre suspender, rever ou corrigir as decisões tomadas;
  5. ninguém a pode impedir de ser o que decide ser.
  6. Em educação o “condicionamento operante” (Skinner) não funciona (prémios e castigos!).

Amor: Paixão pelo NÓS


Amor consequente: amor dado e recebido no pensar, no sentir, no agir em relação a tudo: relacionamento consigo próprio e relacionamento interpessoal; estruturação da interacção familiar, educativa e pedagógica; diálogos de fé, relação com a economia (do bem comum e não do lucro), com a política, relação com o ambiente. Nenhum educador pode ensinar o pensar divergente, educar, sem amar e vice-versa.

O ser humano, desde muito cedo e cada dia mais:

  1. É capaz de amar;
  2. é capaz de amar mesmo antes de conhecer;
  3. é capaz de amar com a finalidade de conhecer;
  4. necessita de ser amado incondicionalmente;
  5. é capaz de comunicar apreço incondicional (agir apreciativo incondicional);
  6. é capaz de construir, trabalhar e viver em comunidade.

Espírito: Paixão por DEUS


(Cadeira livre!)
«O ser humano não é um ser corporal com experiência espiritual. É um ser espiritual com experiência corporal» (pierre teilhard de chardin)

O ser humano, desde muito cedo, e cada dia mais:

  1. É capaz de transcender-se continuamente a si mesmo;
  2. é capaz de abrir-se, ao mesmo tempo, humilde e ousadamente a Deus;
  3. é capaz de assumir para si mesmo a Jesus Cristo como Caminho, Verdade e Vida.

A alma do educador!…

A força propulsora desta antropologia reside na alma de cada educador, entusiasticamente entregue à missão de amar, de aprender e de criar, de ensinar a aprender e a criar, entregue ao prazer e ao dever de ser e de ensinar a ser integralmente pessoa, amando e desafiando os educandos a desenvolver ao máximo possível todas as suas potencialidades, todas as suas sementes de talento.

O educando pode tornar-se pensador, criativo, amante, generoso, livre, “empoderado”, crente, se os seus educadores também o forem. Líder não é quem manda mas quem inspira!

«Às vezes temos quer ser “Condicional”. Nunca “Particípio passado”. A ser mesmo é “Gerúndio” e “Futuro”! “Só se pode avançar quando se olha longe!”» (Ortega e Gasset).