ÁREAS DE INTERVENÇÃO

O Projecto Sofia ressalta cinco áreas onde intervém:

  1. Relações
    O ser humano só se realiza plenamente em relação saudável. Educadores autoritários geram educandos subservientes ou rebeldes; educadores “sedutores” ou paternalistas geram educandos conformistas e infantis; somente educadores que se relacionem como pais e mães responsáveis são capazes de gerar “filhos” e “irmãos” capazes de crescer e desenvolver-se responsavelmente.

  2. “Lições” e currículo
    As “lições” são recíprocas e activas. Os professores entusiasmam os aprendentes e deixam-se entusiasmar por eles. Envolvem-nos em projectos, individuais e colectivos, sempre desafiadores das suas potencialidades e em ligação estreita com a sua experiência de vida.

  3. Linguagem
    Professores e aprendentes cuidam a linguagem: manifestam respeito e apreço recíprocos, profundidade e abrangência de pensamento, exactidão científica.

  4. Metodologias
    As metodologias manifestam as matrizes fundacionais da liberdade, do amor, da inteligência e da espiritualidade. São activas e responsabilizadoras tanto para quem ensina como para quem aprende.
    Os aprendentes são ensinados a pensar por si próprios, a escutar e a expandir o pensamento do colegas, a decidir em vista de objectivos próprios e de objectivos comuns, a fazer e a concretizar projectos, individualmente e em comunidade.

  5. Avaliação
    Avaliar não é simplesmente etiquetar de “Muito bom”, “Bom”, “Satisfaz”, Satisfaz pouco ou Não satisfaz.
    A avaliação faz saber aos educandos e aprendentes aquilo que sabem e sabem fazer, aquilo que são e são capazes de ser como pessoas.
    Em educação, avaliar é dar(-se) conta daquilo que acontece e alertar para aquilo que ainda não aconteceu. Assim, avaliar é também descobrir e ajudar a realizar potencialidades e deveres: aquilo que, ainda em gérmen, está pronto a nascer e deve desenvolver-se.
    Avaliar é ainda encorajar cada um a dar o seu melhor.